sábado, março 30, 2013

Intoxicação por Chocolate

          Embora seja um costume muito comum entre os donos compartilhar seus alimentos com o cão da casa, existem algumas situações em que essa prática pode ser perigosa. Os cães não costumam rejeitar nada do que lhes é oferecido e, seja um pedacinho ou um pedação, vão logo abocanhando o que lhes é atirado. Mas certos alimentos que nos parecem tão apetitosos e inocentes, podem causar graves intoxicações nos animais.
          O cão, em particular, pode ser afetado por uma guloseima popular e apreciada em todo o mundo: o chocolate.
          Constituído por duas substâncias nocivas aos cachorros, a teobromina e a cafeína, o chocolate pode causar graves problemas e até a morte dos cães. A teobromina, encontrada em quantidade muito superior à cafeína nos chocolates, é o maior problema. Leva o animal a quadros de diarreia, vômitos, ingestão exagerada de água, excitação, tremores, taquicardia, febre, respiração acelerada e ataques convulsivos. Todos esses sinais, juntos ou isoladamente, podem começar a aparecer de 6 a 12 horas após a ingestão de chocolate e persistir por até 3 dias.
          A quantidade de chocolate necessária para provocar a intoxicação dos cães é muito variável e depende do porte do animal, sensibilidade e até o tipo de chocolate ingerido. Sabe-se que o chocolate amargo possui uma quantidade de teobromina oito vezes maior do que o chocolate ao leite. Embora, como já dito, a dose que causa intoxicação seja variável para cada indivíduo, se um cãozinho de dois quilos ingerir uma barra de 120 g de chocolate ao leite, essa quantidade pode ser letal. Em um cão bem maior, essa mesma dose pode não ser fatal, mas causar problemas gastrointestinais ou neurológicos.
          Os chocolates devem ser evitados e, se possível, nunca oferecidos ao cão. Uma vez experimentado o sabor adocicado, o cão vai farejar e consumir toda barra de chocolate que estiver ao seu alcance. E aí está o perigo: a ingestão exagerada e sem controle. Não são poucos os casos de animais intoxicados durante a Páscoa, quando os ovos de chocolate são abundantes e estão bem à vista.
          Algumas empresas produzem "chocolates caninos", um produto que possui apenas o aroma do chocolate, sem possuir o princípio ativo tóxico. É uma boa alternativa para satisfazer o cão sem correr riscos.

Texto de Silvia C. Parisi / Médica Veterinária

quinta-feira, dezembro 20, 2012

          Sempre há pessoas que comentam algo do tipo: "é absurdo vocês cuidarem de animais. Vão cuidar das pessoas!". Pessoal, recebi esse e-mail e achei bem interessante postar no blog até para que a gente possa falar sobre esse assunto.


          Na verdade, não estamos dizendo que as pessoas não merecem ajuda. Claro que nos preocupamos com os nossos semelhantes. A questão é que os animais abandonados, muitas vezes, estão nas ruas devido à ação do homem. Além disso, os bichos não sabem se defender, não podem "trabalhar" para conseguir dinheiro para comida, e assim por diante.
          O que vale ressaltar aqui é que todos merecem respeito, tanto o homem quanto o melhor amigo dele. Não acham? Vamos tratar todos com igualdade e respeito. Assim talvez possamos ter um mundo um pouquinho melhor...

segunda-feira, outubro 01, 2012


          Os animais se assustam muito com o barulho de fogos e rojões, pois sua audição é muito mais sensível que a nossa. Cães tendem a fugir do barulho e correm desorientados e sem destino.

CUIDADOS COM CÃES
1- Coloque algodão nos ouvidos - para diminuir a sensibilidade auditiva.
2- Acomode-os  dentro de casa em lugar onde possam se sentir em segurança.
Caso não possa colocar os cães dentro de casa, procure um veterinário para sedá-los.
3- Feche portas e janelas para evitar fugas e acidentes.
4- Ligue o rádio e a TV e aumente o volume próximo ao momento dos fogos.
5- Dê alimentos leves - distúrbios digestivos provocados pelo pânico podem matar.
6- Não deixe o cachorro acorrentado pois ele pode se enforcar em função do pânico.
7- Não deixe muitos cães juntos porque podem brigar.
Se brigarem, não grite!  Faça um barulho forte batendo tampas de panela para mudar o foco da atenção dos cães.

segunda-feira, julho 23, 2012

Pesquisa Revela Que Cães Sabem Rir

          Sons de risadas foram observados enquanto os animais brincavam com seus donos.
          Risada de cães é contagiante e reduz o estresse de outros animais.
          Muitos donos de totós já sabiam do fato, mas agora, o caso tem confirmação científica: cães podem dar risadas. Um dos primeiros estudiosos a defender a tese foi o ganhador do Prêmio Nobel de fisiologia de 1973, Konrad Lorenz. O cientista observou que quando convidava seus cachorros para brincar, eles abriam as mandíbulas, mostravam a língua e abriam a boca "quase de orelha a orelha". Tudo isso seguido de um som produzido pela respiração rápida que se assemelhava a "hah, huh hah".
           Outra pesquisadora que reforça a tese de Lorenz é Patricia Simonet, da Sierra Nevada College. Sua pesquisa comprova os benefícios da risada de cães em animais de abrigos e foi divulgada durante a 7ª Conferência Internacional de Aprimoramento do Meio Ambiente. Para defender sua tese, a estudiosa gravou com sua equipe o som dos cachorros rindo enquanto brincavam em um parque e testou o efeito da gravação em 15 filhotes.
          A mesma gravação também foi utilizada em animais que vivem em abrigos e o resultado foi imediato e contagiante em ambos os casos: os bichinhos se identificaram com a felicidade ouvida e automaticamente ficaram mais alegres. A longo prazo, os animais também deixaram de dar sinais de estresse, ansiedade e mau humor ao ouvirem as risadas de seus colegas de quatro patas.
          O professor de psicologia Stanley Coren, parceiro de Patricia na pesquisa, também revelou suas conclusões sobre o estudo. O britânico testou o experimento com seus próprios cães. Quando eles ouviram sons semelhantes a “hah huh hah”, gravados anteriormente, o psicólogo percebeu que os cães levantaram imediatamente e passavam a abanar o rabo animados, ou se aproximavam dos donos.

sexta-feira, junho 29, 2012



ABANDONAR E MALTRATAR ANIMAIS É CRIME - DENUNCIE

        A Lei de Crimes ambientais nº 9.650 Cap. V, Art. 32 considera crime praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos. Pena: detenção de três meses a um ano e multa.
        São considerados atos de infração o abandono de animais em vias públicas, por isso lembre: Ter um animal de estimação é uma responsabilidade que pode durar anos. Antes de adotar, reflita sobre os deveres de um dono responsável:
     1- O tempo médio de vida de um animal é de 12 anos. Verifique se a família está de acordo, se há recursos para mante-lo e quem cuidará dele quando estiver ausente;
     2- Adote o animal de abrigos em vez de comprar;
     3- Informe-se sobre as características do animal escolhido (tamanho, comportamento);
     4- Jamais deixe o animal solto na rua. Passeios são fundamentais, mas apenas com coleira/guia;
     5- Cuide da saúde física do animal (abrigo, alimento, vacinas, banho e visita ao veterinário);
     6- Dê atenção, carinho e ambiente adequado;
     7- Eduque o animal (adestramento);
     8- Recolha os desejos e jogue-os em local adequado;
     9- Identifique e registre-o em órgão público competente;
     10- Evite crias indesejadas e opte pela castração.
Você pode e deve denunciar os crimes de maus-tratos através dos Centros de Controle de
Zoonoses ou nos seguintes órgãos públicos:
    Bem Estar Animal (Florianópolis - 3237-6890)
    Polícia Civil (181)

segunda-feira, maio 14, 2012

Frio  Chegando...

          Quando a temperatura começa a baixar, não são só os humanos que sentem frio, os animais também. Os mais afetados são os de pelagem curta. Algumas raças, como o Husky Siberiano, o Malamute do Alaska e o São Bernardo, possuem características que os fazem mais resistentes ao frio. Podemos observar que no frio, algumas doenças aparecem com maior frequência. Por isso, devemos preparar nosso animjais para atravessarem o inverno.
          Choques de temperatura, como dar banho, secar o cão com secador (em casa ou pet shop) e sair em seguida com ele na rua, será prejudicial, seja ele jovem ou não.
          Aconselhamos tomar os seguintes cuidados no inverno:
          * Evite banhos em dias muito frios e diminua a frequência de banhos no inverno (se possível);
          * Mantenha a pelagem do animal mais comprida no inverno, evitando tosas muito baixas;
          * Coloque roupa no cão de pelagem curta, caso ele ressinta muito do frio, existe animais que tremem de frio exageradamente! Cães grandes e gatos não toleram roupas;
          * Se costuma nevar ou gear em sua região, sapatos protegem as patas do cão de queimaduras causadas pelo frio;
          * Há cães que, embora tenham casinha, preferem dormir ao relento ou ficar na chuva... Prenda esse animal num local abrigado nos dias frios ou chuvosos;
          * Quando der banho em seu animal, use água morna e seque-o bem. Não deixe que ele saia na rua, no mínimo 30 minutos após o banho. Isso vale, principalmente, para cães que tomam banho em pet shop, pois o secador é extremamente quente e haverá um choque de temperatura se ele sair no frio;
          * Leve seu cão para passear na rua nos horários mais quentes do dia (das 11:00 as 15:00 hs);
          * Aumente em 20 a 30% o alimento do seu cão / gato no inverno. Isso não vale para cães e gatos obesos, sem atividade ou com grande tendência a ganhar peso.
          Todo animal tem direito a um abrigo no inverno. Na natureza, os cães selvagens podem se abrigar em tocas durante o frio. Outras espécies também procuram abrigo.
          Se você também quiser aquecer um animal sem dono neste inverno procure um em nossas páginas e adote-o!

quinta-feira, abril 19, 2012

Como ensinar truques para seu Gato

          Você sabia que os gatos também podem aprender a sentar, dar a pata, e até a miar sob seu comando?
          Saiba agora como você pode ensinar esses truques para o seu bichano!
Penso que sou lindo, logo eu sou.          Pra começar…
          Antes de qualquer coisa, você precisa escolher o incentivo que vai usar pra recompensar o gato quando ele fizer o truque desejado.
          É mais fácil começar oferecendo uma guloseima que o bichano curta bastante. Com o tempo, você pode substituir o petisco por outras coisas que o felino goste muito: um carinho, abrir a porta do quarto ou brincar com ele.
          Sentar
          Quem disse que só os cães sabem? Fazer o seu gato aprender a sentar é super fácil! Segure o petisco acima da cabeça do bichano, sem deixar que ele pegue. Espere o felino sentar ou tente estimular essa atitude, fazendo-o andar de ré. Isso porque, alguns gatos costumam dar passinhos pra trás antes de sentar.
          Quando ele sentar, dê a recompensa no mesmo instante. Mas sem exagero! Dê um pedaço pequeno, pois se ele se empanturrar de petiscos não vai querer praticar mais. Além do que, excessos podem desbalancear a dieta do felino, o que não é aconselhável. Se o gato for comilão, você pode até usar a própria ração dele como petisco.
          Dar a pata
          Este é outro truque que não tem muito segredo. É moleza de ensinar! Coloque um petisco em cada mão e chegue bem perto do gato. Estenda uma das mãos pra que ele se aproxime. Se o bichano tentar pegar com a boca, afaste a mão e não entregue. Logo ele vai começar a usar a pata pra pedir a guloseima! Sempre que o felino agir assim, recompense-o com o petisco que está na outra mão. Depois de um tempo, o gato vai sacar que a recompensa não está na mão que está estendida e então passará a dar a pata, mesmo que não tenha nenhum petisco naquela mão.
          Fica aí!
          Se seu gato é meio preguiçoso, ele vai aprender o comando “fica” rapidinho! Primeiro: você já precisa ter ensinado o comando “senta”. Daí é só ir aumentando aos poucos o tempo entre bichano sentar e ganhar recompensa. Sempre que o felino levantar, faça com que ele sente novamente e não dê o petisco. Aos poucos, ele vai perceber que só ganha o prêmio se ficar sentado. Diga o comando “fica” e, ao mesmo tempo, faça o sinal “pára” com uma das mãos espalmada, e só alguns instantes depois dê o petisco.
          É só chamar que eu vou!
          O comando “vem” pode ser aprendido em apenas alguns dias, principalmente se o seu bichano for louco por petiscos. Para fazer o gato ir até você, chame-o com um assobio ou com uma palavra que você deve usar só pra isso, como “aqui”, por exemplo. Comece chamando o gato e acenando com o petisco. O bichano logo vai entender que, se ele for, ganhará uma recompensa. Espere e, quando o felino chegar perto, dê o petisco. Pelo menos no início, nunca chame o gato sem recompensá-lo, até que ele assimile bem o comando. Depois que ele aprender o truque, procure dar o petisco de vez em quando, pois se o gato perceber que não terá mais recompensa, ele não atenderá mais o seu chamado.
          Miou…
          Para ensinar o bichano a miar sob seu comando você deve esperar um miado e, nesse momento, dar o petisco pra ele. Repita isso algumas vezes. Depois, passe a dizer “mia” alguns segundos antes de mostrar o petisco. Em pouco tempo ele vai se acostumar com o comando e miar quando você pedir.
         
          Mas, atenção: depois de aprender esse truque, o felino pode passar a miar para ganhar tudo o que quer. Portanto, esse treinamento só é recomendado para adestradores ou pra quem não se importa de ter um gato que mia para pedir as coisas.

Fonte: Cão Cidadão
Imagem: Hoschie

Vídeos

Loading...